top of page

🇵🇹 OS ENSINAMENTOS DE DON JUAN


🇵🇹 OS ENSINAMENTOS DE DON JUAN

(texto e vídeo em 🇵🇹 português)

Uma reflexão para o 5º Domingo do Tempo Comum A (5-2-2023)

< Mt 5,13-16 (Vós sois o sal da terra)

I.

De acordo com investigações recentes do ISTAT, a esperança média de vida em Itália é de 80 anos e um mês. O que para a Bíblia era um objectivo para os poucos "Os anos da nossa vida são 70, 80 para os robustos", está agora ao alcance de todos. O salmista, se escrevesse hoje o Salmo, diria: “os anos da nossa vida são 80, 90 para os mais robustos e 100 para uma boa parte”. O ISTAT, contudo, não nos diz se o prolongamento da vida também foi acompanhado por um alongamento da felicidade. Mais do que saber 'quanto tempo' vivemos, é importante saber 'como e porquê' vivemos. Para que serve viver uma vida longa mas sem sabor e sem sentido?

E como podemos saber se o caminho que estamos a percorrer tem algum sabor e significado para a nossa vida? Segundo o escritor peruano Carlos Castaneda, a estrada que percorremos deve "ter um coração". Através do xamã don Juan (no livro: 'Os ensinamentos de Don Juan') ele diz: “Será que este caminho tem um coração? Se o tiver, a estrada é boa. Se não o tem, não serve". Até agora, estamos de acordo com ele. Mas depois acrescenta: "Ambas as estradas não levam a lado nenhum, mas uma tem um coração e a outra não. Uma traz uma viagem feliz; desde que a sigamos, somos um só com ela. A outra far-te-á amaldiçoar a tua vida. Uma faz-te forte; a outra enfraquece-te". Aqui já não estamos de acordo. Se a estrada não leva a lado nenhum, não pode “ter coração”, não pode permitir-lhe uma viagem feliz. Como posso ser feliz sabendo que estou a viajar numa estrada que não leva a lado nenhum, ou pior, que me levará ao desconhecido, ao nada?

II.

Nestes dias li vários comentários sobre ‘a viagem da vida’. Alguns dizem: "Não há maneira certa de procurar para chegar a algum lado. Há o caminho certo para si próprio, que não levará a lado nenhum, mas dará sentido à sua ida". Será que ir a lado nenhum dá sentido à viagem? Seria como dizer que o sentido de um pesquisador, de um descobridor, é o de não descobrir nada.

Outro escreve: "Em qualquer momento da vida, terá de apagar da sua mente a ideia de que em algum momento da vida, mesmo nos últimos momentos de uma vida longa e plena, chegará a algum lugar. ... A meta não existe. Sim, eu sei, é apenas uma «contradição semântica!”». Pelo menos este apercebeu-se da contradição, que não é apenas semântica. Ele fala de uma vida longa e plena. Mas por curiosidade: uma vida no caminho para o nada está plena de quê? De vazio?

Assim também o lema: “A meta é a viagem" não é verdadeiro. A viagem tem significado porque acabará por chegar a algum lugar. O significado da viagem não pode ser uma vagueação que não leva a lado nenhum.

Para nós cristãos, o sentido da viagem da nossa vida é que se trata de uma ‘viagem de regresso a casa’. Regressamos de onde viemos, regressamos a Deus. É por isso que a nossa vida tem sentido; não é uma viagem rumo ao nada. A meta existe: coincide com o ponto de partida, nomeadamente a nossa casa, que é Deus de quem vimos e a quem regressamos.

III.

Jesus diz-nos no Evangelho de hoje: "Vós sois o sal da terra". Ele disse “sois”, e não "sejais”, ou "sereis". Somos agora, porque conhecemos a origem e o sentido da vida, que é Deus, e para isso somos chamados a dar sabor a este mundo insípido que vagueia como um zombie à volta de si mesmo.

Lucio Battisti cantou nos anos 80: “Mas que cor tem um dia sombrio / mas que sabor tem uma vida mal passada”. Uma vida mal passada não tem sabor nenhum. Não deixemos os nossos filhos, netos, parentes, amigos... à mercê de quem ou do quê não pode dar sabor às suas vidas. Vamos ensinar-lhes o caminho de casa, o caminho para Deus. Vamos mostrar-lhes com a serenidade das nossas vidas, que não estamos perdidos nos caminhos deste mundo, mas que temos um objectivo definido a alcançar.

Jesus nos diz também "Vós sois a luz do mundo". A nossa missão é iluminar e não brilhar para nós próprios (São Tomás de Aquino).

Não importa se a nossa luz é tão frágil como a de uma vela. Num mundo de escuridão, pode iluminar o caminho.

Uma história conta que, há muitos anos atrás, houve um súbito apagão no metrô de uma grande cidade. Milhares de passageiros saíram dos comboios, na escuridão total, e vagueavam nos túneis sem saber para onde ir (na altura ainda não havia smartphones). De repente, um cavalheiro acendeu o seu isqueiro, levantou-o, e todos viram aquela pequena luz e começaram a segui-la, pelo que todos chegaram à saída e foram salvos.

IV.

Jesus diz-nos hoje para pôr a luz no alto, e não debaixo do alqueire, para que possa brilhar. Não importa se é um farol poderoso ou a pequena chama de uma vela. O importante é que se coloque em alta. Cada um à sua maneira, de uma forma mais visível ou mais modesta, deve cumprir o seu dever de iluminar, de mostrar o caminho para os homens perdidos deste mundo. E o caminho a ser mostrado é o indicado por Aquele que disse não de” conhecer o caminho", mas de “ser o caminho". Não há outro caminho para além de Jesus. Percorrer outros caminhos é vaguear, nunca chegando a lado nenhum. "Que a vossa luz brilhe perante os homens, para que vejam as vossas boas obras e dêem glória ao vosso Pai que está nos céus". A "vossa luz" da qual Jesus fala é a luz que brilha dos nossos olhos, do nosso sorriso, da simplicidade do nosso rosto que conhece as carícias do Senhor.

V.

Na conclusão de um comentário sobre Carlos Castaneda e Juan, um comentador escreve: "Continuando a história, na partida de Don Juan para o seu 'último voo', o xamã Carlos, como o novo nagual (i.e. 'líder', chefe) designado por Don Juan, continuaria (e lideraria outro grupo de alunos, também preparado), a viagem em direcção à libertação total do ser, para finalmente partir também, como o seu mestre, para a 'viagem definitiva através do desconhecido'". Talvez esteja a falar da viagem, da qual falou no início, em "estradas que não levam a lado nenhum".

Em todo o caso, desejamos-lhes uma boa viagem para lado nenhum. Nós, por outro lado, vamos continuar a nossa viagem de regresso a casa.


(Na música de fundo: Battiato - Centro di Gravità Permanente (1981) - Piano)


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Post: Blog2 Post
bottom of page